terça-feira, 31 de maio de 2011

Coroação e Procissão de N.S no Encerramento do mês de Maio

O mês de maio em nossa Paróquia foi marcado pela fé e a devoção, pois tivemos a oração do terço nas famílias e a coração de Nossa Senhora nas celebrações de Encerramento.

No último dia do mês de Maio foi realizada na comunidade Virgem dos Pobres - Barro Duro a celebração eucarística e ao final da mesma, a coroação de  Nossa Senhora Virgem dos Pobres e em seguida tivemos a procissão pelas rua da comunidade, um bingo para ajudar na reforma da Igreja e um café partilhado com toda a comunidade a preço bem accecível.
 Na missa das 17:00 na Igreja Matriz de Santa Terezinha, a coroação foi a cargo das crianças da Catequese.
Um mês muito especial onde a comunidade se dedicou na oração e com Maria aprendemos muitas coisas pois ela mas que ninguém soube agradar a Deus em tudo, modelo de fé que devemos seguir e aprender como Ela:
 
 ”Eis-me aqui Senhor Faça se em mim segundo a Tua palavra”.

sexta-feira, 27 de maio de 2011

"O Clero esta em festa"

"Câmara Municipal de Maceió outorga título de cidadão e entrega comenda a Dom Antônio Muniz"


Também receberam o título de cidadão o Mons. José Augusto Silva Melo e o Cônego João José de Santana Neto


A Camara de Vereadores de Maceió através dos vereadores Galba Novaes e Fátima Santiago entregaram, na manhã desta sexta-feira (27), o Título de Cidadão Honorário de Maceió ao Arcebispo de Maceió, Dom Antônio Muniz Fernandes, Monsenhor José Augusto Silva Melo e o Cônego João José de Santana Neto, na mesma ocasião também foi outorgado a Comenda Selma Bandeira ao arcebispo de Maceió. Os títulos foram entregues pelo vereador Marcelo Malta um dos propositores da outorga dos títulos.

A solenidade foi marcada pela presença de diversas personalidades que representaram as mais variadas instituições do Estado, Município e União, como a Universidade Federal de Alagoas (UFAL), a Ordem dos Advogados do Brasil em Alagoas (OAB/AL), a Secretaria Estadual da Paz (SEPAZ), a Secretaria Municipal de Ação Social, a Câmara Municipal de Maceió, seminaristas, religiosas e religiosas, membros do clero da Arquidiocese de Maceió, os capelães militares, os fieis católicos oriundos de várias comunidades paroquiais.

Com bastante eloqüência o vereador Marcelo Malta destacou que a entrega do Título de Cidadão Honorário concedido por ele aos padres é apenas uma formalização do que já é fato para os maceioenses. “São pessoas que desde cedo realizam ações em prol da cidadania e da igualdade social em Maceió. A entrega deste título ao Monsenhor José Augusto e Cônego João Neto é apenas a formalização do que já está gravado no coração da população de Maceió”, destacou. Salientou a notável capacidade intelectual dos homenageados, mas também que são “Homens de ação”.

O presidente da Câmara Municipal de Maceió, Galba Novaes, relatou a felicidade em poder homenagear “Na verdade é uma honra para esta Casa Legislativa homenagear uma personalidade tão importante para Alagoas”. “Esta é uma oportunidade de reconhecer todo o trabalho executado por ele, para o povo de Maceió. Hoje, a Câmara de Maceió reconhece Dom Muniz como um verdadeiro cidadão maceioense e afirma que ele é filho da capital alagoana”, frisou.

Novaes ainda ressaltou o legado que Dom Muniz deixa para a comunidade. “Atualmente, sob coordenação de Dom Muniz, a Igreja vai até a comunidade, dialoga com o povo e executa ações beneméritas nas mais diversas comunidades. Seguindo o mesmo exemplo, ontem a Câmara de Maceió lançou o projeto Parlamento na Praça, e da mesma forma vai à comunidade para exercer cidadania. Acredito que este é o papel das Instituições: participar da reconstrução da sociedade e estar dia a dia dialogando com ela”. Novaes lembrou que a “Câmara é a caixa de ressonância da sociedade, por esta razão a concessão dos títulos, porque a sociedade já reconheceu.” Continuou dizendo, “D. Antonio sempre faz alerta os poderes constituídos deste estado, para que a sociedade nos veja como seus verdadeiros representantes.

Sem dúvida, a outorga desde títulos a membros do clero da Arquidiocese de Maceió é um reconhecimento do trabalho social e da defesa da vida da Igreja Católica no estado de Alagoas.

Comenda Selma Bandeira

A vereadora Fátima Santiago entregou a Comenda Selma Bandeira ao Arcebispo Dom Antônio Muniz. Segundo a parlamentar, a honraria tudo tem haver com o homenageado, uma vez que tal comenda contempla cidadãos “que muito tenham lutado pelas causas sociais, sempre a favor dos Direitos Humanos”. “Acredito que a referida comenda até chega atrasada, pela pessoa que Dom Antônio Muniz representa ao Estado. É uma pessoa a qual tenho forte admiração pela constante luta em prol dos mais carentes. D. Antonio me faz lembra a figura de D. Helder Câmara, que fez da Igreja a Igreja dos mais pobres” – ressaltou a parlamentar.

A Comenda Selma Bandeira foi instituída através do Decreto Legislativo nº 183 de 02 de abril de 1997. É conferida para personalidades, entidades e instituições nacionais ou locais, que tenham se destacado na luta pelo fim da violência e na defesa dos direitos humanos.

O Arcebispo Dom Muniz é paraibano, assumiu a Arquidiocese de Maceió no dia 04 de fevereiro de 2007 e tem desenvolvido importantes projetos sociais que beneficiam pessoas marginalizadas (dependentes químicos, moradores de rua, vítimas das enchentes e gestantes carentes). “As homenagens são fruto do trabalho de toda a Igreja. Agradeço a gentileza e amabilidade pelas homenagens, mas digo que estes títulos não são meus e sim da igreja. Este é o reconhecimento da seriedade de todo o nosso trabalho. A Vida é sempre mais importante. Este é o motivo que nos para sermos pastores ” – finalizou o arcebispo.

http://arquidiocesedemaceio.org.br/noticias

quinta-feira, 26 de maio de 2011

Showwwww

Pureza, iniciou  na música ainda pequena, nos corais da Igreja na sua cidade natal
em Junqueiro, faz parte do Movimento de Cursilho de Cristandada-Maceió,
e da Paróquia de Santa Catarina Labouré - Aldebaran.

Lançando o seu 3º Cd, " Por causa do teu sim, Oh! Maria!"
no Teatro Deodoro, nesta sexta feira 27/05/2011 as 20h.
Em seu repertório músicas belíssimas como:
* Olha pra mim;
* Quem me tocou;
* Vento que sopra e muito mais.
Não podemos perder ... vai ser um lindo Show...

Você vai ficar de fora???

Oração Pelo 4º Mutirão de Comunicação

O bispo referencial da Pascom, Dom Manoel Delson, escreveu uma oração para o 4º Mutirão Regional de Comunicação. É bom que a gente reze-a em nossas atividades, nas dioceses, e, também, incentive as equipes paroquiais da Pascom a rezá-la.


Oração para o Mutirão de Comunicação

Senhor Jesus Cristo, Comunicador do Pai, acompanhai-nos na realização deste IV Mutirão de Comunicação do Regional Nordeste 2, mostrando-nos a ciência dos processos de comunicação, a fim de podermos contribuir com a construção de um mundo melhor.
Inspirai, Senhor, os coordenadores do mutirão, os articuladores das dioceses, os expositores e participantes, para que, abertos à comunicação evangélica, sejam facilitadores da recepção da Boa Nova da Salvação e anunciadores da esperança neste mundo tão diversificado e plural.
Senhor, dai-nos a força do Espírito Santo, a Sabedoria Divina, para que a PASCOM seja na Igreja um instrumento de unidade e comunhão, ajudando a pastoral de conjunto e toda ação evangelizadora.
Senhor, formai-nos para comunicar tudo aquilo que engrandece o ser humano, que cria comunidade de fé e amor, que resgata aqueles que se encontram perdidos, excluídos e afastados da vida plena que vós mesmo ofereceis.
Senhor, fazei de todo nós, agentes da PASCOM, vossos seguidores na comunicação das coisas do Pai, “para que todos tenham vida plena!” Amém!

terça-feira, 24 de maio de 2011

PENTECOSTE 2011

No domingo, 12 de junho, a ARQUIDIOCESE DE MACEIÓ celebra mais um dia de PENTECOSTES. Este ano, o evento acontecerá no Ginásio do SESI no Trapiche das 8h às 18h. O tema de reflexão para 2011 será: LITURGIA - BERÇO DE EXPERIÊNCIA DA PALAVRA DE DEUS.






A entrada será franca, adquirira  as camisas ao custo de R$ 12,00 (doze reais), estão à venda nas paróquias e na loja Paráclito, no Centro.
Postado por; Notícias / Arquidiocese
16/05/2011 18h19
http://www.arquidiocesedemaceio.org.br/

TÍTULO DE CIDADÃO HONORÁRIO

CÂMARA MUNICIPAL HOMENAGEARÁ DOM ANTÔNIO MUNIZ, CÔNEGO JOSÉ AUGUSTO, CÔNEGO JOÃO NETO E IRMÃ SANDRA, A IGREJA DE MACEIÓ EM SESSÃO SOLENE.
Na próxima sexta-feira, dia 27, às 9 horas, no Teatro do Colégio Marista, Dom Antônio Muniz receberá uma homenagem da Câmara Municipal de Maceió.Na sessão solene, será entregue ao Arcebispo a COMENDA SELMA BANDEIRA e o TÍTULO DE CIDADÃO HONORÁRIO, pelo reconhecimento aos serviços prestados aos alagoanos nas mais diversas áreas e na defesa dos direitos humanos.
A “Comenda Deputada Selma Bandeira” é outorgada a personalidades, entidades e instituições, nacionais e locais, que tenham se destacado na luta pelo fim da violência e na defesa dos direitos humanos.Dom Antonio Muniz Fernandes, tem ao longo dos quase 4 anos de pastoreio na Arquidiocese de Maceió construído e restaurado vários projetos sociais e suas respectivas sedes. O seu empenho e trabalho não acontece somente na cidade de Maceió, mas também em outras cidades do interior alagoano. O arcebispo de Maceió transformou a Arquidiocese de Maceió em uma Igreja missionária e samaritana a serviço da vida.

Na sessão solene, também serão homenageados com o TÍTULO DE CIDADÃO HONORÁRIO, o CÔNEGO JOSÉ AUGUSTO (Vigário Geral da Arquidiocese de Maceió e Vigário da Paróquia de Santa Terezinha do Menino Jesus - Serraria), Cônego João Neto (Vigário da Paróquia de Santa Catarina Labouré - Aldebaran) e Irmã Sandra (Madre Superiora do Colégio Santa Madalena Sofia).

segunda-feira, 23 de maio de 2011

4º Multicom da Comunicação

A Pastoral da Comunicação do Regional NE 2 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil realiza a cada dois anos o Mutirão Regional de Comunicação. O primeiro Mutirão foi realizado em 2005, na arquidiocese de João Pessoa. Em 2007, foi a vez da arquidiocese de Natal sediar o evento. Em 2009, a diocese pernambucana de Caruaru cedeu sua estrutura para abrigar os comunicadores cristãos do Regional Nordeste 2.


O 4º Mutirão Regional de Comunicação, promovido pelo Regional Nordeste 2, da CNBB, será realizado dia 28 a 30 de outubro de 2011, no Colégio Santa Madalena Sofia, o tema: “Processos de comunicação e mídias digitais: evangelização em tempos de cibercultura”.

A abertura ocorrerá na noite do dia 28, no auditório do Colégio Marista de Maceió, com a apresentação folclórica da região e com as palavras de boas vindas de Dom Antonio Muniz, Arcebispo de Maceió. Em seguida, haverá a conferência sobre o tema central do 4º Mutirão de Comunicação.

Serão oferecidas 14 oficinas (29/10), simultaneamente, todas abordando temas relacionados à comunicação. No dia 30, haverá, simultaneamente, oito seminários.

O evento está sendo organizado para um público de 400 pessoas, entre agentes pastorais, professores e estudantes de Comunicação Social, integrantes de Organizações Não-Governamentais, comunicadores populares e a sociedade em geral, de Pernambuco, Paraíba, Rio grande do Norte e Alagoas.Memória do 3º Mutirão de Comunicação:


O Regional Nordeste 2 da CNBB (Alagoas, Paraíba, Pernambuco e Rio Grande do Norte) realizou no fim de semana, dias 23 a 25, em Caruaru, PE, o seu 3º Mutirão de Comunicação (Muticom), com o tema “Processos de Comunicação e Evangelização”. O evento contou com a participação de 320 pessoas, de 18 arquidioceses e dioceses do Regional, além da arquidiocese da Bahia, Feira de Santana, Serrinha e Bonfim. O evento foi assessorado pela assessora da Comissão Episcopal para a Cultura, Educação e Comunicação Social, da CNBB, irmã Elide Fogolari; o assessor de imprensa da Conferência, padre Geraldo Martins; e o coordenador geral do Mutirão Latinoamericano e caribenho de Comunicação, padre Marcelino Sivinski.

• Na abertura, foi ministrada uma palestra sobre o tema do Mutirão, proferida pelo padre Geraldo Martins. Na palestra, o assessor de imprensa da Conferência dos Bispos, depois de conceituar a comunicação e a evangelização, fez uma ligação entre os dois termos: “Sem a clareza do que seja evangelização, podemos comunicar sem evangelizar. E, se comunicamos de forma plena, então, estamos evangelizando, uma vez que somos capazes de penetrar o íntimo do outro, deixando-nos também habitar por seu saber”. E acrescentou: “Sempre que, através da comunicação, conseguimos promover o outro, ajudando-o em sua libertação, então, evangelizamos. Pela evangelização, através de uma comunicação perfeita, podemos levar o outro a fazer uma experiência de Cristo, conhecendo sua pessoa, sua vida, sua obra, sua doutrina e, livremente, aderir a Ele.”

No sábado, os participantes foram distribuídos entre as 12 oficinas oferecidas. No domingo, aconteceram quatro seminários: Leitura Crítica da Cultura Midiática, Mística do Comunicador Cristão, Novas Tecnologias: desafios e oportunidades para a Igreja, e Rádios Comunitárias: legislação e organização.

Na opinião de quem participou, o evento foi um espaço valioso para o crescimento da Pascom e da cada pessoa que lá esteve. “O Mutirão foi um momento muito importante não só para quem se inscreveu, mas para quem contribuiu com as assessorias nas oficinas. Eu, particularmente, fiquei muito feliz em contribuir com uma oficina, conhecendo gente, histórias, experiências, aprendendo junto, no mundo do rádio”, disse Nill Júnior, coordenador da Pascom na diocese de Afogados da Ingazeira (PE), assessor da Oficina de Produção de Programas de Rádio. Para a articuladora regional da Pascom, Cacilda Medeiros, a experiência dos mutirões, no Nordeste 2, está consolidada. “A feliz ideia de uma construção em comum de reflexões, grupos de trabalho, seminários, oficinas sobre comunicação sob um tema comum que norteie as discussões tem se revelado como oportuna e necessária”.

De acordo com o Plano Regional da Pascom, em 2010 serão realizados mutirões estaduais. “A realização de mutirões de comunicação por algumas dioceses, como Natal, Mossoró e Caicó, todas no Rio Grande do Norte, muito tem contribuído para o fortalecimento e crescimento da Pascom”, enfatiza Cacilda.

No encerramento, foi anunciado Maceió (AL) para sediar o 4º Mutirão de Comunicação do Nordeste 2, em outubro de 2011. Ainda não há temática definida.

Fonte: http://4muticom.blogspot.com/

Formação Litúrgica

ARQUIDIOCESE DE MACEIÓ


PARÓQUIA IMACULADA CONCEIÇÃO

PARÓQUIA SANTA ISABEL

Encontro de Formação Litúrgica

“A Celebração Eucarística: Ápice da nossa vida em Comunidade”

Data: 5 a 9 de julho
Local: Igreja Imaculada Conceição (Jacintinho)
Horário: 19 às 21horas (5 a 8) e das 8h30min às 12horas (dia 9)
Assessor: Luiz Wagner Barbosa (Equipe de Liturgia da Arquidiocese de Fortaleza)
Público: Equipes de Liturgia, catequistas, ministérios de música, agentes de pastoral e demais pessoas interessadas

Valor da inscrição: R$ 10,00 (por pessoa) com direito ao material e cafezinho

OBS: Inscrições na secretaria da Paróquia Imaculada Conceição (Jacintinho) até 26 de junho (domingo) ou com Padre Rogério

Aniversário de Ordenção - Dom Antônio Muniz

CONVITE
Queridas Irmãs e Queridos Irmãos em Cristo Ressuscitado!!
Convidamos a todos para celebrar o aniversário de
Ordenação Episcopal de Dom Antonio Muniz Fernandes.
24/05/11 - às 17h – Paróquia de São Pedro – Ponta Verde
Contamos com sua presença e divulgação.
Que o Senhor seja Louvado!!

domingo, 22 de maio de 2011

Irmã Dulce é beatificada em Salvador

A religiosa baiana Maria Rita de Souza Brito Lopes Pontes, conhecida como Irmã Dulce (1914-1992), foi beatificada em cerimônia neste domingo (22) em Salvador.Conhecida como “anjo bom da Bahia” em razão de seu trabalho assistencial, Irmã Dulce passa a ostentar a denominação de Bem-Aventurada Dulce dos Pobres. Com a beatificação, fica a um passo de receber o título de santa pela Igreja Católica Apostólica Romana, principal ramo do catolicismo no País.
A beatificação é a etapa que antecede a canonização - o título de santa será concedido caso haja comprovação, com aval do Vaticano, de mais um milagre atribuído à religiosa. O beato é tido pelo Vaticano como exemplo para fiéis católicos pelo mundo.
Em outubro de 2010, o Vaticano reconheceu o primeiro milagre intercedido por Irmã Dulce, cujos detalhes foram divulgados na semana passada. A freira teria motivado a recuperação de uma mulher sergipana, desenganada após sofrer 28 horas de hemorragia durante o parto.
Para a Igreja Católica, uma graça é considerada milagre se atender a quatro pontos: instantaneidade (graça alcançada logo após o pedido), perfeição (atendimento completo do pedido), durabilidade e permanência e suposta não-explicação pela ciência.

Cerimônia sob chuva
A celebração deste domingo, sob chuva forte em alguns momentos, reuniu milhares de católicos no parque de exposições de Salvador. Começou por volta das 14h, com uma apresentação artística. A missa teve início por volta das 17h, com cerca de 500 religiosos, entre padres, arcebispos, bispos, diáconos e seminaristas.
A beatificação se confirmou com a leitura de carta do papa que inscreveu Irmã Dulce na relação de santos e beatos da Igreja Católica. Houve ainda o anúncio da data de 13 de agosto como dia de celebração da festa litúrgica da beata.
Com a beatificação de irmã Dulce, o Brasil passa a contar com cerca de 70 beatos, candidatos potenciais a santos. Considerada a maior nação católica do mundo, com 73% da população católica pelo Censo 2000, o Brasil tem apenas um santo nascido no País, o Frei Galvão (1739-1822), canonizado em 2007 pelo papa Bento 16.
Bento 16 deu sequência à linha de seu antecessor, João Paulo 2º (1920-2005), beatificado neste mês e que fez da proclamação de santos uma forma de evangelização. “O Brasil precisa de santos, muitos santos”, é uma frase atribuída ao antecessor de Bento 16.
“Salve! Salve! Salve, Irmã Dulce do amor”. Enquanto o hino da religiosa era entoado por um coral de mais de 200 vozes, o Cardeal Dom Geraldo Majella, representante do Papa Bento XVI na cerimônia, proclamava-a beata. Cerca de 70 mil fiéis acompanharam emocionados o evento no Parque de Exposições de Salvador (BA), munidos de faixas, lenços brancos e imagens da freira. A partir deste domingo, a religiosa será chamada 'Bem-Aventurada Dulce dos pobres'.
A Santa Missa começou com a leitura do pedido de beatificação, feito pelo Arcebispo da capital baiana, Dom Murilo Krieger. “O Arcebispo Metropolitano de São Salvador da Bahia e Primaz do Brasil pede a Vossa Eminência Reverendíssima de proclamar Bem-Aventurada a Venerável Serva de Deus Dulce Lopes Pontes, professa da Congregação das Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição da Mãe de Deus”, solicitou o prelado.
Homília:
video

sábado, 21 de maio de 2011

Grande evento celebra a beatificação de Irmã Dulce na Bahia

Nascida em 26 de maio de 1914 em Salvador e batizada como Maria Rita Lopes Pontes, a religiosa, da Congregação das Irmãs Missionárias da Imaculada Conceição da Mãe de Deus, pode se transformar na primeira santa nascida no Brasil, o país com o maior número de católicos do mundo.
A cerimônia será no Parque de Exposições de Salvador e presidida pelo arcebispo da cidade e cardeal primaz do Brasil, Murilo Krieger, em um ato no qual participarão as autoridades civis e religiosas, e 70 mil fiéis, pelos cálculos dos organizadores.

Segundo o cardeal, a beatificação da Irmã Dulce recai sobre uma pessoa "frágil, pequena e delicada", que "conseguiu ajudar sempre" os doentes que cuidava. Irmã Dulce entregou sua vida ao serviço dos necessitados e desenvolveu uma obra social na Bahia, onde fundou hospitais de caridade e uma rede de apoio social que dirigiu até sua morte, em 13 de março de 1992, aos 77 anos.
Por sua obra, em 1988 foi candidata ao Prêmio Nobel da Paz e, em outubro de 1991, cinco meses antes de sua morte, recebeu em seu leito a visita do também beato papa João Paulo 2º, durante a segunda visita do pontífice ao Brasil. "Durante muito tempo pensava-se que a santidade era algo que só ocorria na Europa", ressaltou Krieger, quem em 2002 participou da canonização da freira italiana Amabile Visintainer (1865-1942), que passou a ser chamada Santa Paulina do Coração Agonizante de Jesus.
O processo de beatificação da Irmã Dulce começou em 1999 e quatro anos depois, em 2003, dez médicos brasileiros e três italianos certificaram o "caso extraordinário de um padre", milagre que foi reconhecido por unanimidade pela Congregação para as Causas dos Santos. O milagre ocorreu em janeiro de 2001 quando Claudia Santos de Araújo, do vizinho Estado de Sergipe e devota a Irmã Dulce, sofreu uma grave hemorragia durante o parto e ficou em estado de coma. A gravidade da situação era tanta que os médicos deram a ela poucas horas de vida. Um sacerdote amigo dela que sabia da sua fé em Irmã Dulce orou pedindo por sua saúde e em questão de horas a parturiente estava plenamente recuperada. Dois dias depois, ela recebeu alta do hospital com seu bebê, sem que os médicos tenham conseguido explicar o que havia ocorrido.
A Irmã Dulce foi declarada venerável pelo Vaticano em 2009 e no ano passado, quando seu corpo foi exumado e transferido à catedral de Salvador, estava intacto, mumificado naturalmente, o que foi interpretado pela igreja como um sinal de santidade da freira.


As Osid (Obras Sociais Irmã Dulce) têm origem em 1949, quando irmã Dulce abrigou 70 doentes em um galinheiro de um convento. Hoje incluem um complexo hospitalar que realiza cerca de 100 mil procedimentos por mês, entre consultas, exames e cirurgias. Criadora das Osid, irmã Dulce será beatificada em cerimônia neste domingo (22) em Salvador. A beatificação é uma das etapas do processo de canonização da religiosa, iniciado em 2000. O próximo passo, caso o Vaticano reconheça um segundo milagre da religiosa, é canonizá-la. Então ela passará a ser considerada santa pela Igreja Católica.
video

domingo, 15 de maio de 2011

Mensagem para o Dia Mundial de Oração pelas Vocações - 15 de maio

Queridos irmãos e irmãs!

O 48.º Dia Mundial de Oração pelas Vocações, que será celebrado no dia 15 de Maio de 2011, IV Domingo de Páscoa, convida-nos a refletir sobre o tema: «Propor as vocações na Igreja local». Há sessenta anos, o Venerável Papa Pio XII instituiu a Pontifícia Obra para as Vocações Sacerdotais. Depois, em muitas dioceses, foram fundadas pelos Bispos obras semelhantes, animadas por sacerdotes e leigos, correspondendo ao convite do Bom Pastor, quando, «ao ver as multidões, encheu-Se de compaixão por elas, por andarem fatigadas e abatidas como ovelhas sem pastor» e disse: «A messe é grande, mas os trabalhadores são poucos. Pedi, pois, ao dono da messe que mande trabalhadores para a sua messe» (Mt 9, 36-38).
A arte de promover e cuidar das vocações encontra um luminoso ponto de referência nas páginas do Evangelho, onde Jesus chama os seus discípulos para O seguir e educa-os com amor e solicitude. Objeto particular da nossa atenção é o modo como Jesus chamou os seus mais íntimos colaboradores a anunciar o Reino de Deus (cf. Lc 10, 9). Para começar, vê-se claramente que o primeiro ato foi a oração por eles: antes de os chamar, Jesus passou a noite sozinho, em oração, à escuta da vontade do Pai (cf. Lc 6, 12), numa elevação interior acima das coisas de todos os dias. A vocação dos discípulos nasce, precisamente, no diálogo íntimo de Jesus com o Pai. As vocações ao ministério sacerdotal e à vida consagrada são fruto, primariamente, de um contato constante com o Deus vivo e de uma oração insistente que se eleva ao «Dono da messe» quer nas comunidades paroquiais, quer nas famílias cristãs, quer nos cenáculos vocacionais.
O Senhor, no início da sua vida pública, chamou alguns pescadores, que estavam a trabalhar nas margens do lago da Galileia: «Vinde e segui-Me, e farei de vós pescadores de homens» (Mt 4, 19). Mostrou-lhes a sua missão messiânica com numerosos «sinais», que indicavam o seu amor pelos homens e o dom da misericórdia do Pai; educou-os com a palavra e com a vida, de modo a estarem prontos para ser os continuadores da sua obra de salvação; por fim, «sabendo Jesus que chegara a sua hora de passar deste mundo para o Pai» (Jo 13, 1), confiou-lhes o memorial da sua morte e ressurreição e, antes de subir ao Céu, enviou-os por todo o mundo com este mandato: «Ide, pois, fazer discípulos de todas as nações» (Mt 28, 19).
A proposta, que Jesus faz às pessoas ao dizer-lhes «Segue-Me!», é exigente e exaltante: convida-as a entrar na sua amizade, a escutar de perto a sua Palavra e a viver com Ele; ensina-lhes a dedicação total a Deus e à propagação do seu Reino, segundo a lei do Evangelho: «Se o grão de trigo cair na terra e não morrer, fica só ele; mas, se morrer, dá muito fruto» (Jo 12, 24); convida-as a sair da sua vontade fechada, da sua ideia de auto-realização, para embrenhar-se noutra vontade, a de Deus, deixando-se guiar por ela; faz-lhes viver em fraternidade, que nasce desta disponibilidade total a Deus (cf. Mt 12, 49-50) e se torna o sinal distintivo da comunidade de Jesus: «O sinal por que todos vos hão-de reconhecer como meus discípulos é terdes amor uns aos outros» (Jo 13, 35).
Também hoje, o seguimento de Cristo é exigente; significa aprender a ter o olhar fixo em Jesus, a conhecê-Lo intimamente, a escutá-Lo na Palavra e a encontrá-Lo nos Sacramentos; significa aprender a conformar a própria vontade à d’Ele. Trata-se de uma verdadeira e própria escola de formação para quantos se preparam para o ministério sacerdotal e a vida consagrada, sob a orientação das autoridades eclesiásticas competentes. O Senhor não deixa de chamar, em todas as estações da vida, para partilhar a sua missão e servir a Igreja no ministério ordenado e na vida consagrada; e a Igreja «é chamada a proteger este dom, a estimá-lo e amá-lo: ela é responsável pelo nascimento e pela maturação das vocações sacerdotais» (JOÃO PAULO II, Exort. ap. pós-sinodal Pastores dabo vobis, 41). Especialmente neste tempo, em que a voz do Senhor parece sufocada por «outras vozes» e a proposta de O seguir oferecendo a própria vida pode parecer demasiado difícil, cada comunidade cristã, cada fiel, deveria assumir, conscientemente, o compromisso de promover as vocações. É importante encorajar e apoiar aqueles que mostram claros sinais de vocação à vida sacerdotal e à consagração religiosa, de modo que sintam o entusiasmo da comunidade inteira quando dizem o seu «sim» a Deus e à Igreja. Da minha parte, sempre os encorajo como fiz quando
escrevi aos que se decidiram entrar no Seminário: «Fizestes bem [em tomar essa decisão], porque os homens sempre terão necessidade de Deus – mesmo na época do predomínio da técnica no mundo e da globalização –, do Deus que Se mostrou a nós em Jesus Cristo e nos reúne na Igreja universal, para aprender, com Ele e por meio d’Ele, a verdadeira vida e manter presentes e tornar eficazes os critérios da verdadeira humanidade» (Carta aos Seminaristas, 18 de Outubro de 2010).
É preciso que cada Igreja local se torne cada vez mais sensível e atenta à pastoral vocacional, educando a nível familiar, paroquial e associativo, sobretudo os adolescentes os jovens – como Jesus fez com os discípulos – para maturarem uma amizade genuína e afetuosa com o Senhor, cultivada na oração pessoal e litúrgica; para aprenderem a escuta atenta e frutuosa da Palavra de Deus, através de uma familiaridade crescente com as Sagradas Escrituras; para compreenderem que entrar na vontade de Deus não aniquila nem destrói a pessoa, mas permite descobrir e seguir a verdade mais profunda de si mesmos; para viverem a gratuidade e a fraternidade nas relações com os outros, porque só abrindo-se ao amor de Deus é que se encontra a verdadeira alegria e a plena realização das próprias aspirações. «Propor as vocações na Igreja local» significa ter a coragem de indicar, através de uma pastoral vocacional atenta e adequada, este caminho exigente do seguimento de Cristo, que, rico de sentido, é capaz de envolver toda a vida.
Dirijo-me particularmente a vós, queridos Irmãos no Episcopado. Para dar continuidade e difusão à vossa missão de salvação em Cristo, «promovam o mais possível as vocações sacerdotais e religiosas, e de modo particular as missionárias» (Decr. Christus Dominus, 15). O Senhor precisa da vossa colaboração, para que o seu chamado possa chegar aos corações de quem Ele escolheu. Cuidadosamente escolhei os dinamizadores do Centro Diocesano de Vocações, instrumento precioso de promoção e organização da pastoral vocacional e da oração que a sustenta e garante a sua eficácia. Quero também recordar-vos, amados Irmãos Bispos, a solicitude da Igreja universal por uma distribuição equitativa dos sacerdotes no mundo. A vossa disponibilidade face a dioceses com escassez de vocações torna-se uma bênção de Deus para as vossas comunidades e constitui, para os fiéis, o testemunho de um serviço sacerdotal que se abre generosamente às necessidades da Igreja inteira.
O Concílio Vaticano II recordou, explicitamente, que o «dever de fomentar as vocações pertence a toda a comunidade cristã, que as deve promover, sobretudo mediante uma vida plenamente cristã» (Decr. Optatam totius, 2). Por isso, desejo dirigir uma fraterna saudação de especial encorajamento a quantos colaboram de vários modos nas paróquias com os sacerdotes. Em particular, dirijo-me àqueles que podem oferecer a própria contribuição para a pastoral das vocações: os sacerdotes, as famílias, os catequistas, os animadores. Aos sacerdotes recomendo que sejam capazes de dar um testemunho de comunhão com o Bispo e com os outros irmãos no sacerdócio, para garantirem o húmus vital aos novos rebentos de vocações sacerdotais. Que as famílias sejam «animadas pelo espírito de fé, de caridade e piedade» (Ibid., 2), capazes de ajudar os filhos e as filhas a acolherem, com generosidade, o chamado ao sacerdócio e à vida consagrada. Convictos da sua missão educativa, os catequistas e os animadores das associações católicas e dos movimentos eclesiais «de tal forma procurem cultivar o espírito dos adolescentes a si confiados, que eles possam sentir e seguir de bom grado a vocação divina» (Ibid., 2).
Queridos irmãos e irmãs, o vosso empenho na promoção e cuidado das vocações adquire plenitude de sentido e de eficácia pastoral, quando se realiza na unidade da Igreja e visa servir a comunhão. É por isso que todos os momentos da vida da comunidade eclesial – a catequese, os encontros de formação, a oração litúrgica, as peregrinações aos santuários – são uma ocasião preciosa para suscitar no Povo de Deus, em particular nos menores e nos jovens, o sentido de pertença à Igreja e a responsabilidade em responder, com uma opção livre e consciente, ao chamado para o sacerdócio e a vida consagrada.
A capacidade de cultivar as vocações é sinal característico da vitalidade de uma Igreja local. Invoquemos, com confiança e insistência, a ajuda da Virgem Maria, para que, seguindo o seu exemplo de acolhimento do plano divino da salvação e com a sua eficaz intercessão, se possa difundir no âmbito de cada comunidade a disponibilidade para dizer «sim» ao Senhor, que não cessa de chamar novos trabalhadores para a sua messe. Com estes votos, de coração concedo a todos a minha Bênção Apostólica.

Vaticano, 15 de Novembro de 2010.


BENEDICTUS PP. XVI
Fonte: http://www.cnbb.org.br/

sexta-feira, 13 de maio de 2011

13 de Maio - Dia de Nossa Senhora de Fátima

 Oração à Nossa Senhora de Fátima
Nossa Senhora de Fátima; um acontecimento
capital do século XX

Sobre Fátima ninguém ignora que se trata de uma invocação de Nossa Senhora a cintilar no firmamento da Igreja. Qual a origem histórica desta invocação? Qual o seu significado exato? Qual seu alcance para a vida espiritual e as atividades de apostolado? É o que muitos não saberiam dizer.
Dos fatos, daremos apenas uma narração muito sucinta, o mínimo necessário para que leitores menos informados possam acompanhar o comentário. Desejamos acentuar alguns aspectos das mensagens de Nossa Senhora, que em geral não se põem no necessário relevo.

Os videntes: os três pastorinhos de Fátima; Jacinta, Francisco e Lúcia

Lúcia, Francisco e Jacinta são as três crianças favorecidas pelas visões de Fátima. Lúcia nascera em 1907, Francisco em 1908, Jacinta em 1910. Francisco e Jacinta eram irmãos, e Lúcia era prima deles. Os três provinham de modestíssima família de Aljustrel, vilarejo próximo do lugar das aparições. Absolutamente ignorantes, tinham por ocupação o pastoreio.
Passavam, pois, fora de casa grande parte do dia, aproveitando o tempo, na medida em que o trabalho o permitia, para brincar e rezar. Nessa vida inocente, suas almas conservavam uma candura angélica, e iam adquirindo uma piedade e uma força de que deram ulteriormente provas admiráveis.
A Cova da Iria, lugar das visões, era então um ermo, e pertencia aos pais de Lúcia. Segundo tradições dignas de respeito, o Bem-aventurado Nuno Álvares Pereira estivera orando ali na véspera da famosa batalha de Aljubarrota.

As visões de Nossa Senhora em Fátima ocorreram em 1915, 1916 e 1917.

As visões de Fátima se dividem em três grupos bem distintos. As primeiras se deram, não propriamente na Cova da Iria, mas em lugar muito próximo, denominado Lapa do Cabeço. Ocorreram em 1915 e 1916. Apareceu nelas um Anjo que se intitulou o Anjo de Portugal.
As outras se verificaram na Cova de Iria, em 1917. Apareceu sempre Nossa Senhora, e uma vez toda a Sagrada Família. Quer por sua seriação cronológica, quer pela qualidade das pessoas que se manifestaram, quer pelo conteúdo das mensagens, é fora de dúvida que as aparições de 1915 e 1916 foram uma preparação para as de 1917.
Estas constituem a parte central de toda a série de visões. Vem por fim um grupo complementar, constituído pelas aparições de Nossa Senhora aos videntes depois das que ocorreram em Fátima. Deram-se em datas diversas e a cada um deles em separado. Constituem complemento, aliás essencial, das anteriores.
Anjo de Portugal prepara a vinda da Virgem Santíssima.
Em 1915, entre abril e outubro, deu-se uma primeira manifestação sobrenatural. Lúcia guardava o rebanho com três outras meninas, quando “viram pairando sobre o arvoredo do vale, que se estendia a seus pés, uma nuvem, mais branca do que a neve, algo transparente, com forma humana”. Francisco e Jacinta não estavam presentes. Em dias diferentes, esta aparição se repetiu duas vezes.
Em 1916, deu-se nova aparição, desta vez em presença de Lúcia, Jacinta e Francisco. Não havia outras crianças. Repetiram-se assim mais duas aparições.
O Anjo se manifestava sob a forma de um jovem resplendente, de uma consistência e um brilho como do cristal atravessado pelos raios do sol. Ensinou-os a rezar, com a fronte curvada até o chão, a seguinte prece: “Meus Deus, eu creio, adoro, espero e amo-Vos. Peço-vos perdão para os que não crêem, não adoram, não esperam e não Vos amam”.
E acrescentou que os Corações de Jesus e de Maria estavam atentos à voz de suas súplicas. Recomendou-lhes que oferecessem “tudo que pudessem”, em reparação pelos pecados e pela conversão dos pecadores. Declarou que era o Anjo de Portugal, e que deviam orar por sua pátria.

Na terceira aparição, o Anjo trazia um cálice na mão, e sobre ele uma Hóstia da qual caíam dentro do cálice algumas gotas de sangue. Deixando o cálice e a Hóstia suspensos no ar, prostrou-se em terra e repetiu três vezes a seguinte oração: “Santíssima Trindade, Pai, Filho e Espírito Santo, adoro-Vos profundamente e ofereço-Vos o preciosíssimo Corpo, Sangue, Alma e Divindade de Jesus Cristo, presente em todos os sacrários da Terra, em reparação dos ultrajes, sacrilégios e indiferença com que é ofendido. E, pelos méritos infinitos de Seu Santíssimo Coração e do Coração Imaculado de Maria, peço-vos a conversão dos pobres pecadores”.

Depois, deu a Hóstia a Lúcia; e o cálice, deu-o a beber a Francisco e Jacinta, dizendo ao mesmo tempo: “Tomai e bebei o Corpo e o Sangue de Jesus Cristo, horrivelmente ultrajados por homens ingratos. Reparai os seus crimes e consolai o vosso Deus”.
Nesta narração sucinta, reproduzimos só o essencial, omitindo a profunda impressão que as palavras do Anjo produziram nas três crianças, os numerosos sacrifícios com que a partir desse momento começaram a expiar pelos pecadores, a oração a bem dizer incessante, em que se transformou sua vida. Estavam assim sendo preparadas para as revelações de Nossa Senhora.

Nossa Senhora em Fátima pede a conversão dos pecadores.

As aparições de Nossa Senhora foram em número de seis, respectivamente nos dias 13 de maio, junho, julho, setembro e outubro de 1917. A aparição do mês de agosto ocorreu no dia 19, e não no dia 13. Os três pastorinhos estiveram presentes a todas. À primeira, não estavam na Cova da Iria senão eles. Nas outras, o número de pessoas presentes foi crescendo a ponto de se transformar, na última, em verdadeira multidão, calculada em 70.000 pessoas.
Na primeira aparição, Nossa Senhora anunciou que viria mais cinco vezes, em cada mês seguinte, e mais tarde voltaria uma sétima vez. E, diga-se de passagem, esta última promessa ainda está para se realizar.
Em que ocasião será? Prometeu Ela o Céu aos pastorinhos, e lhes pediu que aceitassem os sofrimentos que a Deus aprouvesse enviar-lhes para reparação dos pecados e conversão dos pecadores. Os três aceitaram. Nossa Senhora lhes predisse então que sofreriam muito, mas a graça de Deus não os abandonaria. E por fim lhes recomendou que rezassem diariamente o Terço para alcançar o fim da guerra e a paz do mundo.
Devoção ao Rosário e ao Imaculado Coração de Maria.
Na segunda aparição, Nossa Senhora insistiu sabre o Terço diário e recomendou às três crianças que aprendessem a ler. Ensinou-lhes também uma jaculatória, a ser rezada no Terço, entre mistério e mistério: “Oh meu Jesus, perdoai-nos, livrai-nos do fogo do inferno e os pobres pecadores, especialmente os mais necessitados”.

Nesta aparição, Nossa Senhora prometeu que levaria para o Céu, em breve, Francisco e Jacinta, e anunciou que Lúcia viveria por mais tempo, para cumprir na terra uma missão providencial: “Jesus quer servir-se de ti para Me fazer conhecer e amar. Ele quer estabelecer no mundo a devoção ao meu Imaculado Coração". E como Lúcia se mostrasse apreensiva, confortou-a Nossa Senhora prometendo: “O meu Imaculado Coração será teu refúgio e o caminho que conduzirá até Deus”.
Ainda nesta aparição, a Santíssima Mãe mostrou aos pastorinhos um coração cercado de espinhos que o penetravam: era o Coração Imaculado de Maria, ultrajado pelos pecados da humanidade. E prometeu assistir na hora da morte, com as graças necessárias para a salvação, a todos os que, no primeiro sábado de cinco meses seguidos, se confessarem, receberem a Sagrada Comunhão, rezarem um Terço e Lhe fizerem companhia durante quinze minutos, meditando nos quinze mistérios do Rosário com o fim de A desagravar.
Nossa Senhora apareceu pela terceira vez a 13 de julho. Depois de haver recomendado mais uma vez a recitação diária do Terço, ensinou aos pequenos pastores uma nova jaculatória a ser rezada com freqüência, e especialmente quando fizessem algum sacrifício: “Oh meu Jesus, é por vosso amor, pela conversão dos pecadores, pelo Santo Padre e em reparação dos pecados cometidos contra o Imaculado Coração de Maria”.

A visão do inferno e anúncios de castigos Maria Santíssima, então, fez ver o inferno aos três pastorinhos: “Vimos um mar de fogo, e nele mergulhados os demônios e as almas, como se fossem brasas transparentes e negras ou bronzeadas, com forma humana, que flutuavam no incêndio, levadas pelas chamas que saíam delas mesmas juntamente com nuvens de fumo, caindo por todos os lados — como as fagulhas nos grandes incêndios —, sem peso nem equilíbrio, entre gritos e gemidos de dor e desespero que horrorizavam e faziam estremecer de pavor. [...]
Os demônios distinguiam-se por formas horríveis e asquerosas de animais espantosos e desconhecidos, mas transparentes como negros carvões em brasa.

“Assustados, e como que a pedir socorro, levantamos a vista para Nossa Senhora, que nos disse com bondade e tristeza:
— “Vistes o inferno, para onde vão as almas dos pobres pecadores. Para as salvar, Deus quer estabelecer no mundo a devoção ao meu Imaculado Coração.Se fizerem o que Eu vos disser, salvar-se-ão muitas almas e terão paz. A guerra vai acabar; mas, se não deixarem de ofender a Deus, virá outra pior”.
Estas últimas palavras abriam naturalmente caminho para outro assunto. A Santíssima Virgem continuou: “Quando virdes uma noite iluminada por uma luz desconhecida, sabei que é o grande sinal que Deus vos dá de que vai punir o mundo dos seus crimes por meio da guerra, da fome e da perseguição à Igreja: os bons serão martirizados, o Santo Padre terá muito que sofrer, e várias nações serão aniquiladas. Por fim, o Meu Imaculado Coração triunfará”.

O milagre do sol e o segredo de Fátima:
Dezenas de milhares de pessoas testemunham o milagre do sol ocorrido em 13 de outubro de 1917.
A 13 de agosto não houve aparição: os pequenos videntes estavam presos, à disposição do Administrador de Ourém, movido de zelo laico e republicano. Nossa Senhora apareceu entretanto, e inesperadamente, no dia 19 do mesmo mês.
Neste dia, a Santíssima Mãe de Deus prometeu um insigne milagre para outubro, comunicou suas instruções relativamente ao emprego do dinheiro que os fiéis deixavam no local das aparições, e mais uma vez recomendou orações e penitência: “Rezai, rezai muito e fazei sacrifícios pelos pecadores, que vão muitas almas para o inferno, por não haver quem se sacrifique e peça por elas”.

A 13 de setembro, a Virgem Santíssima insistiu também na recitação diária do Terço para alcançar o fim da guerra, elogiou a fidelidade dos pastorinhos à vida de mortificação que lhes tinha pedido e recomendou que se moderassem algum tanto neste ponto. Confirmou a promessa de um milagre na aparição de outubro, e anunciou que os três veriam então a Sagrada Família. Prometeu também operar algumas das curas pedidas por eles.
Foi somente a 13 de outubro que Nossa Senhora revelou sua identidade aos pastorinhos, dizendo: “Eu sou a Senhora do Rosário”. Anunciou que a guerra terminaria em breve, e recomendou: “Não ofendam mais a Nosso Senhor, que já está muito ofendido”. Lúcia pediu a cura de algumas pessoas. A Senhora respondeu que curaria “uns sim, outros não”. E acrescentou: “É preciso que se emendem, que peçam perdão de seus pecados”. Apareceu em seguida a Virgem com São José e o Menino Jesus. Em certo momento, apresentava-se como a Senhora das Dores. Pouco depois, como a Senhora do Carmo.
Foi durante esta aparição que ocorreram os sinais prometidos para autenticar o que narravam os pastorinhos.
Na visão de julho, a Santíssima Virgem comunicou seu famoso segredo. Nossa Senhora pediu que a humanidade se convertesse de seus pecados e que o Santo Padre, com todos os Bispos, consagrasse a Rússia a seu Imaculado Coração. Se não, sobreviria nova guerra, que muitas nações seriam aniquiladas, a Rússia espalharia os seus erros, o Santo Padre teria muito que sofrer.
Acerca da consagração da Rússia ao Imaculado Coração de Maria, a Irmã Lúcia teve nova visão em 1929, segundo refere o Pe. João de Marchi (Era uma Senhora mais brilhante que o Sol, p. 308). Nessa visão, ocorrida na capela das Irmãs Dorotéias, em Thuy, na Espanha, Nossa Senhora mais uma vez pediu a consagração da Rússia ao seu Coração, a ser feita pelo Papa em união com os Bispos de todo o mundo.




Santíssima Virgem, que nos montes de Fátima vos dignastes revelar aos três pastorinhos os tesouros de graças que podemos alcançar, rezando o Santo Rosário, ajudai-nos a apreciar sempre mais esta santa oração, a fim de que, meditando os mistérios da nossa redenção, alcancemos as graças
que insistentemente vos pedimos peça a graça pretendida.
Maria Santíssima, volvei vossos olhos misericordiosos para este mundotão necessitado de Paz, de Saúde e Justiça.
Vinde em nosso auxílio, Mãe dos Aflitos, e Socorrei-nos com Vosso Amor e Piedade.
Nossa Senhora do Rosário de Fátima, rogai por nós.
Rezar
1 Pai-Nosso, 1 Ave-Maria, 1 Glória ao Pai.

segunda-feira, 9 de maio de 2011

Eleita Nova Presidência da CNBB Nordeste2

Dom Genival Saraiva, bispo de Palmares-PE; Dom Manoel Delson Pedreira da Cruz, bispo de Caicó-RN; e Dom Francisco de Assis Dantas de Lucena, Bispo de Guarabira-PB; foram eleitos, respectivamente, para os cargos de Presidente, Vice e Secretário geral, da Conferência Nacional de Bispos do Brasil Regional Nordeste 2 (CNBB NE2). As eleições foram realizadas na manhã desta segunda-feira, 09, no sexto dia da 46ª Assembleia Geral dos Bispos, em Aparecida-SP.

Os bispos eleitos terão o cargo de duração de quatro anos. Para as eleições foram utilizadas urnas eletrônicas, semelhantes às usadas e eleições civis. O presidente, vice e secretário geral da CNBB foram eleitos em votações separadas.

A CNBB Regional Nordeste 2 é composta pelas 21 Dioceses dos Estados de Pernambuco, Paraíba, Alagoas e Rio Grande do Norte.

Saiba mais sobre os novos componentes da presidência da CNBB NE2 abaixo:

Dom Genival Saraiva de França: Dom Genival Saraiva , filho de José Luiz de França e Maria Brasilina de França, nasceu em Alcantil - PB, no dia 03 de abril de 1938. Recebeu o Batismo na Capela de São José, no dia 12 de agosto de 1938. Com seus oito irmãos, viveu a infância em sua terra natal, onde cursou os estudos primários.

Cursou a Teologia no Seminário Maior de Viamão – RS, concluindo-o em 1964. Recebeu a Ordenação Sacerdotal na Catedral de Campina Grande, no dia 1º de janeiro de 1965, mediante a imposição das mãos de Dom Manuel Pereira da Costa, então Bispo Diocesano de Campina Grande.

Completou sua formação acadêmica com o curso de Licenciatura em Filosofia, na Universidade Católica de Pernambuco, em 1970, e Mestrado em Pedagogia na Pontifícia Universidade Salesiana de Roma, no período de 1978 a 1981.

Atuou na Pastoral da Comunicação, na condição de apresentador de programas nas Rádios Caturité e FM Campina Grande e como articulista colaborador em jornais estaduais.

Exerceu atividades docentes na rede particular e estadual de ensino e na Universidade Estadual da Paraíba e Universidade Federal da Paraíba - Campus II.

Foi Secretário de Educação e Cultura do Município de Campina Grande e Membro do Conselho Estadual de Educação, no período de 1986 a 1998.

Atualmente é o Bispo da Diocese de Palmares-PE.

Dom Manoel Delson Pedreira da Cruz: Dom Manoel Delson, filho de Pedro Lopes da Cruz e Luzia Pedreira da Cruz, nasceu em Biritinga - BA no dia 10 de julho de 1954.

Estudou no Seminário São Francisco de Assis em Nova Veneza, São Paulo e ordenou-se sacerdote em Feira de Santana-BA, no dia 05 de julho de 1980. Foi também em Feira de Santana que ocorreu sua ordenação Episcopal, em 24 de setembro de 2006.

Possui Licenciatura em Letras pela Universidade Católica de Salvador-BA e Mestrado em Ciência da Comunicação Social em Roma, na Pontifícia Universidade Salesiana.

Antes de tomar posse como Bispo, foi Ministro Provincial em Salvador, BA (1998); e em Roma exerceu o cargo de Definidor Geral para a América Latina junto à Cúria Geral dos Capuchinhos (2002-2006).

Atualmente é o Bispo da Diocese de Caicó-RN.


Dom Francisco Dantas de Lucena: Dom Francisco Dantas de Lucena, filho de Abemor Abdias de Lucena e Maria Inês Dantas de Lucena, nasceu em Jardim do Seridó – RN no dia 19 de outubro de 1963.

Estudou no Seminário Arquidiocesano de São José, no Rio de Janeiro e ordenou-se sacerdote em Caicó, no dia 27 de julho de 1991.

Formou-se em Licenciatura Plena em Letras pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte; e em Direito Canônico no Instituto Superior de Direito Canônico no Rio de Janeiro-RJ.

Ao ser nomeado bispo, em 17 de agosto de 2008, em Caicó-RN, era Professor de Direito Canônico na Faculdade de Teologia Cardeal Eugênio de Araújo Sales; Membro do Colégio dos Consultores; Membro do Conselho Presbiteral; Assistente Espiritual das Religiosas de Caicó, Pároco da Paróquia de São Francisco de Assis e Juiz Auditor da Câmara Eclesiástica da Diocese de Caicó.

Dom Lucena atualmente é o Bispo da Diocese de Guarabira-PB.

Mayara Renata
Assessoria de Imprensa
CNBB Nordeste 2

Elevação no nível dos rios preocupa municípios atingidos

 O Cônego José Augusto juntamente com o Pe. Manoel José e o casal missionário Viera e Luciana, estiveram na cidade de Jacuípe, nesta manhã de Segunda - feira (09/05/2011).
De acordo com o que viram foram muitos os estragos feitos pelas chuvas nos últimos dias, segundo informações do Pe. Márcio Manuel pároco do município, o Rio Jacuípe transbordou e atingiu mais 50% das casas do município.
Ao todo, dez municípios estão em estado de emergência. São eles: Campestre, Colônia Leopoldina, Jacuípe, Japaratinga, Jundiá, Novo Lino, Paripueira, Porto de Pedras, São Luis do Quitunde e São Miguel dos Milagres.
Os municípios com maior número de pessoas afetadas pelas enchentes são:
Campestre – 600 afetados
Colônia Leopoldina – 1.070 afetados
Jacuípe – 804 afetados
Japaratinga – 120 afetados
Jundiá – 230 afetados
Novo Lino – 90 afetados
Paripueira – 15 afetados
Porto de Pedras – 65 afetados
São Luis do Quitunde – 2.490 afetados– onde foi registrado também a morte de uma menina de 6 anos de idade;
São Miguel dos Milagres – 264 afetados 
esses dados foram fornecidos pelo jornal Alagoas 24 horas.
Uma campanha para arrecadação de donativos continua. Segundo a Arquidiocese de Maceió, as principais necessidades são água potável, alimentos não-perecíveis, roupas, colchões e produtos de higiene pessoal. Todas as Paróquias e principalmente a Igreja de São Gonçalo estão funcionando como postos de arrecadação de donativos para as vítimas das chuvas.



sábado, 7 de maio de 2011

Mãe do Amor

A Arte de ser Mãe

MÃE



Você é a mais doce e pura criatura!

A dedicada esposa, mulher e protetora!

Você... Que me permitiu viver e sonhar

Que me amparou e me ensinou a caminhar!

É seu, o mérito do sucesso que se diz meu!

Pois, você soube transmitir com seu amor,

Sem buscar descanso, com alegria e louvor,      
A garra de luta e a grande vontade de vencer!

MÃE
Você plantou em mim a harmonia e a paz.

Soube ensinar-me a ser alguém antes de ter.

Você mostrou sempre como amar e a perdoar!

Você... Ensinou-me a respeitar e ser respeitada!

Você... Ensinou-me a ter honra e ser honrada!

Você... Ensinou-me a sublime arte de ser Mãe!

quinta-feira, 5 de maio de 2011

CONVITE


A Arquidiocese de Maceió convida a TODOS para participarem da  FEIRA DA ESPERANÇA E DA SOLIDARIEDADE, todos os primeiros sábados de cada mês.

07 DE MAIO DE 2011 - IGREJA DE SÃO GONÇALO - FAROL

6h – Santa Missa– Celebração Padre José Augusto

7h – Café da Manhã Regional – self service – R$ 5,00 (cinco reais)


6h às 9h – Feira da Esperança – produtos produzidos na Fazenda da Esperança, Casa do Servo Sofredor, Acampamentos da CPT e artesanatos.
Organização deste evento PASTORAL FAMILIAR

COMPAREÇA – DIVULGUE!!!!
--
Suely Sobral - CNLB - Secretária

Rejane Gaia - CNLB

Arquidiocese de Maceió promoverá Feira da Fraternidade

Tradição há vários anos, a 35ª edição da Feira da Fraternidade será realizada nos próximos dias 4, 5 e 6 de maio, dentro da Campanha da Fraternidade, no Ginásio Cenecista Jorge Assunção (situado na ladeira da antiga rodoviária, no Poço), numa realização da Arquidiocese de Maceió.
Os donativos para a feira podem ser entregues na Secretaria da Catedral Metropolitana de Maceió, nos horários das 9h às 12 horas e das 15h às 18 horas.
Segundo o Padre Celso Alípio, pároco da Catedral e coordenador da Feira da Fraternidade, o resultado financeiro do evento, este ano, com a determinação do arcebispo de Maceió, dom Antônio Muniz Fernandes, será revertido na manutenção e no desenvolvimento das instituições sociais: Fazenda da Esperança Santa Teresinha (instituição para a recuperação de dependentes químicos), Casa do Servo Sofredor (que abriga homens que dormem à noite, nas ruas) e Casa Betânia (que acolhe mulheres que não têm abrigo).
PREÇOS ACESSÍVEIS

Padre Celso Alípio explica que, como todos os anos, podem ser doados roupas, sapatos, utensílios domésticos e, sobretudo, gêneros alimentícios (não perecíveis), que serão vendidos nas diversas barracas montadas na feira, a preços acessíveis para os irmãos carentes.
Na edição realizada no ano passado, foi arrecadada cerca de meia tonelada de produtos doados por voluntários, empresas e instituições privadas.
Quem quiser obter mais informações sobre as doações pode ligar para o número: (82) 3223-2872 (Catedral de Maceió).

.from → Arquidiocese de Maceió

terça-feira, 3 de maio de 2011

Existem várias Nossas Senhoras?

Não existe nenhuma diferença quanto à Pessoa Venerada; trata-se sempre da mesma Virgem Maria, Mãe de Nosso Senhor Jesus Cristo que aparece na Bíblia.
São apenas diferentes invocações ou títulos que lembram os lugares em que Ela apareceu, ou o modo como Ela se manifestou, ou algum privilégio de que Ela está adornada, ou finalmente algum aspecto especial pelo qual Ela deve ser venerada.

Assim, dou alguns exemplos: Nossa Senhora de Fátima. Esta invocação surgiu a partir das aparições da Virgem em 1917 na Cova da Iria -- periferia de Fátima em Portugal, onde Ela se manifestou a três pastorinhos, anunciando castigos para a humanidade se esta não se convertesse, mas que por fim seu Imaculado Coração triunfaria.

Nossa Senhora da Conceição Aparecida. Por que Aparecida? Porque uma imagem da Imaculada Conceição foi achada -- "apareceu" -- no Rio Paraíba, em São Paulo, há duzentos e oitenta anos atrás, numa pesca milagrosa, que deu início a uma série de prodígios e bênçãos para a Terra de Santa Cruz.

Nossa Senhora da Imaculada Conceição -- nesta invocação os fiéis exaltam o privilégio altíssimo dado por Deus a Nossa Senhora, o fato de ter sido Ela concebida sem pecado original, ou seja, a sua concepção foi sem mácula, sem a mancha do pecado de origem, cometido por nossos primeiros pais no Paraíso. Privilégio único.

Nossa Senhora Consoladora dos Aflitos -- com esta invocação a Igreja incentiva todos os fiéis que estiverem aflitos a se voltarem com especial confiança para a Virgem Santíssima. É a Mãe e Senhora da Consolação!
E, assim por diante, cada invocação de Nossa Senhora tem sua razão de ser, sua luz, seu perfume. Haja vista a Ladainha Lauretana, que é a Sua Ladainha...
Aí está a explicação sobre as várias invocações a Nossa Senhora. E, para encerrar, como de Maria nunca é demais falar, cito as ardentes palavras de S. Luís Maria Grignion de Montfort em seu Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem: "Jesus Cristo deu mais glória a Deus, submetendo-se a Maria durante trinta anos, do que se tivesse convertido toda a terra pela realização dos mais estupendos milagres. Oh! quão altamente glorificamos a Deus, quando, para lhe agradar, nos submetemos a Maria, a exemplo de Jesus Cristo, nosso único modelo".

Se examinarmos atentamente o resto da vida de Jesus, veremos que foi por Maria que Ele quis começar seus milagres. Pela palavra de Maria Ele santificou São João no seio de Santa Isabel; assim que as palavras brotaram dos lábios de Maria, João ficou santificado, e foi este seu primeiro milagre na ordem da graça. Foi ao humilde pedido de Maria, que Ele, nas núpcias de Caná, mudou água em delicioso vinho, sendo este seu primeiro milagre em público, na ordem da natureza. Ele começou e continuou seus milagres por Maria, e por mediação de Maria continuará a operá-los até o fim dos séculos. É Ela a Medianeira de todas as Graças.
Não existe nenhuma diferença quanto à Pessoa Venerada; trata-se sempre da mesma Virgem Maria, Mãe de Nosso Senhor Jesus Cristo que aparece na Bíblia.

São apenas diferentes invocações ou títulos que lembram os lugares em que Ela apareceu, ou o modo como Ela se manifestou, ou algum privilégio de que Ela está adornada, ou finalmente algum aspecto especial pelo qual Ela deve ser venerada.
Assim, dou alguns exemplos: Nossa Senhora de Fátima. Esta invocação surgiu a partir das aparições da Virgem em 1917 na Cova da Iria -- periferia de Fátima em Portugal, onde Ela se manifestou a três pastorinhos, anunciando castigos para a humanidade se esta não se convertesse, mas que por fim seu Imaculado Coração triunfaria.

Nossa Senhora da Conceição Aparecida. Por que Aparecida? Porque uma imagem da Imaculada Conceição foi achada -- "apareceu" -- no Rio Paraíba, em São Paulo, há duzentos e oitenta anos atrás, numa pesca milagrosa, que deu início a uma série de prodígios e bênçãos para a Terra de Santa Cruz.
Nossa Senhora da Imaculada Conceição -- nesta invocação os fiéis exaltam o privilégio altíssimo dado por Deus a Nossa Senhora, o fato de ter sido Ela concebida sem pecado original, ou seja, a sua concepção foi sem mácula, sem a mancha do pecado de origem, cometido por nossos primeiros pais no Paraíso. Privilégio único.
Nossa Senhora Consoladora dos Aflitos -- com esta invocação a Igreja incentiva todos os fiéis que estiverem aflitos a se voltarem com especial confiança para a Virgem Santíssima. É a Mãe e Senhora da Consolação!
E, assim por diante, cada invocação de Nossa Senhora tem sua razão de ser, sua luz, seu perfume. Haja vista a Ladainha Lauretana, que é a Sua Ladainha...
Aí está uma das explicações sobre as várias invocações a Nossa Senhora. E, para encerrar, como de Maria nunca é demais falar, cito as ardentes palavras de S. Luís Maria Grignion de Montfort em seu Tratado da Verdadeira Devoção à Santíssima Virgem: "Jesus Cristo deu mais glória a Deus, submetendo-se a Maria durante trinta anos, do que se tivesse convertido toda a terra pela realização dos mais estupendos milagres. Oh! quão altamente glorificamos a Deus, quando, para lhe agradar, nos submetemos a Maria, a exemplo de Jesus Cristo, nosso único modelo".
Se examinarmos atentamente o resto da vida de Jesus, veremos que foi por Maria que Ele quis começar seus milagres. Pela palavra de Maria Ele santificou São João no seio de Santa Isabel; assim que as palavras brotaram dos lábios de Maria, João ficou santificado, e foi este seu primeiro milagre na ordem da graça. Foi ao humilde pedido de Maria, que Ele, nas núpcias de Caná, mudou água em delicioso vinho, sendo este seu primeiro milagre em público, na ordem da natureza. Ele começou e continuou seus milagres por Maria, e por mediação de Maria continuará a operá-los até o fim dos séculos. É Ela a Medianeira de todas as Graças.

domingo, 1 de maio de 2011

Dom Antônio Muniz celebrou Missa pela beatificação do Papa João Paulo II

A comunidade católica realizou no dia 1º de maio, o Domingo da Misericórdia, e a celebração de ação de graças pela beatificação do papa João Paulo II.
As atividades tiverão início às 15h, na Paróquia Virgem dos Pobres- Vergel do Lago e na Paróquia São José Operário - Trapiche. Logo após os fiéis sairão em caminhada até o antigo Papódromo, hoje conhecido e nomeado como SANTUÁRIO DA DIVINA MISERICORDIA JOÃO PAULOII ,onde foi celebrada a Santa Missa às 17h, presidida pelo Arcebispo de Maceió, Dom Antonio Muniz e concelebrada por vários sacerdotes. Todas as Paróquias de Maceió estavam presentes.


"Vou fazer aqui um pedido - não chamemos mais este lugar, onde um Santo de Deus rezou com alguns de vocês, de PAPÓDROMO, pois esse nome só é dado para Fumodromo, Sambodromo, mas sim de SANTUÁRIO DA DIVINA MISERICÓRDIA  JOÃO PAULO II, e sem pedir autorização aos poderes públicos - esse lugar agora é nosso. Vamos cuidar dele que foi abandonado pelos Governantes de nossa sociedade(...)!". Os fieis aplaude e vibram mesmo embaixo de chuva demonstrando a satisfação e o orgulho da nossa Igreja Samaritana e Missionária e clamado em voz alta todos dizem: SIM  a mais um projeto da nossa Aquidiocese representada pelo Sr. Bispo Dom Antônio Muniz . E firmando esse projeto convoca todos os sacerdotes representantes do Setor Lagunar para apartir dessa data Maceió terá um santuário em honra e louvor a Jesus Misericordioso e todo dia 1º de cada mês acontecerá uma Celebração Eucarística da Divina Misericordia, "...neste espaço também terá um carinho especial a nossa futura beata Irmã Dulce, o anjo Bom da Bahia como santamente falava João Paulo II"... Dom Antonio com tamanha sabedoria pediu aos fiéis que colaborem com essa obra de Evangelização começando pelos que tinham levado cadeiras e bancos deixando como doação para a iniciação da construção do Santuário, agradecu a Rádio Milênio um dos grandes colaboradores no meio de comunicação sempre atentos  e propagadores  de comunicação católica em nossa cidade.
Vamos dizer  SIM a esse projeto de Deus, e ao Santuário da Divina Misericórdia João PauloII, todas as doações são bem vindas, procurem os Sacerdotes do Setor Lagunar:
Pe. Edvaldo - Coordenador do Setor -Paróquia Virgem dos Pobres no Vergel do Lago;
Pe. Antônio Fausto - Paróquia São José no Trapiche;
Pe. Walfran - Paróquia de Santo Antônio em Bebedouro:
Pe. Augusto - Paróquia N.Srª do Perpetuo Socorro no Vergel do Lago;
Pe. Ernesto - Paróquia Nossa Senhora das Graças na Levada;
Pe. Cícero  Calado - Representando a Divina Misericórdia -